Início Uncategorized AM registra cinco novos casos suspeitos de doença da urina preta nos...

AM registra cinco novos casos suspeitos de doença da urina preta nos últimos 14 dias

172
0

O Amazonas registrou, nos últimos 14 dias, cinco novos casos de rabdomiólise associados à “doença da urina preta”, todos no município de Itacoatiara, a 176 quilômetros de Manaus.

O cenário da rabdomiólise no Amazonas foi atualizado nessa quarta-feira (23), pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). Esse é considerado o pior surto da síndrome já registrado no estado. No primeiro surto, em 2008, foram 27 casos e no segundo, em 2015, 74 casos.

De 21 de agosto até essa terça-feira (21), foram notificados 132 casos de rabdomiólise no Amazonas, sendo 75 associados à “doença da urina preta”. Duas pessoas morreram com a doença, desde agosto.

Os casos considerados compatíveis com a “doença da urina preta” foram notificados em 10 municípios: Itacoatiara (44), Parintins (12), Manaus (6), Urucurituba (4), Silves (3), Maués (2), Manacapuru (1), Itapiranga (1), Autazes (1) e Caapiranga (1). Destes, dois casos evoluíram para óbito e ocorreram em Itacoatiara.

No atual surto da doença, a primeira morte ocorreu no dia 28 de agosto: a auxiliar de serviços gerais, Maria de Nazaré Monteiro, de 51 anos. Não há mais informações sobre a segunda morte pela doença.

Relação com o consumo de peixes

De acordo com a diretora-presidente da FVS-AM, Tatyana Amorim, os sintomas da rabdomiólise provocada pela ingestão de peixes surgem, normalmente, dentro das primeiras 24 horas após o consumo.

“Nas primeiras horas, costuma surgir um quadro de mialgia [dores musculares generalizadas], 100% dos pacientes apresentaram mialgia, com outros sintomas associados”, explicou.

Josielen Amorim, pesquisadora da FVS-AM, afirma que que uma das dificuldades encontradas para a investigação em torno dos casos notificados é o rastreamento da origem dos peixes.

“Muitas vezes eles são comprados em mercados e trazidos por pescadores sem identificação da origem. Quando o peixe é consumido por ribeirinhos, que pescaram, fica mais fácil de identificar as áreas onde esses peixes são pescados”, pontuou.

Artigo anteriorVidro no pulmão especialista explica doença contraída por Zé Neto
Próximo artigoCapitólio: Corpo de Bombeiros confirma 10 mortos após queda de paredão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui